segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Excision (2012)

Uma verdadeira excisão do terror contemporâneo?

"Excision" foi um dos filmes que passou este ano no MOTELx, e que causou um grande furor no Festival Sundance. É o primeiro filme escrito e realizado por Richard Bates Jr., protagonizado pela adorável Annalynne McCord, caracterizando-se essencialmente pela violência implícita, mas dualista de tão perturbador e inquietante que é. A verdade é que esperava algo completamente diferente, mas ainda que não tenha obtido tal correspondência, surpreendi-me bastante pela positiva, sendo certo que é daqueles filmes que dividirá os espectadores. Vou já poupar os leitores: não é definitivamente um filme de terror convencional. Até categorizá-lo como "terror" é complicado. Não obstante a dificuldade na categorização, é um filme muito bem conseguido a que não é possível ficarmos indiferentes, pela densidade dramática e psicológica que carrega. Somos apresentados a Pauline (AnnaLynne McCord), uma típica adolescente perturbada que tem como principal ambição estudar medicina e exercer cirurgia. Vemos o seu dia-a-dia, a sua relação com a família e amigos, e as dificuldades que tem em sustentar tais relações. O seu escape, no entanto, reside numa estranha obsessão em corpos mutilados e fantasias sexuais ligeiramente perturbadoras, que condiciona a 100% a maneira de ser dela, e a forma como encara a própria vida. O filme gira, assim, em torno das ilusões macabras de Pauline, e do seu caminho de auto-descoberta, que revela ser o menos encantador possível... Sadismo é o que mais podemos esperar. 

Um ponto que foi muito criticado, mas que eu sinceramente considerei genial, está relacionado com a forma como a realidade e os sonhos estão ligados. No primeiro plano deparamo-nos com a típica adolescente outcast, sombria e sem amigos, envolta na sua própria perturbação e consciência do seu desiquilíbrio. No segundo plano, deparamo-nos com a Pauline que a própria ambiciona ser, uma mulher de beleza hipnótica, rodeada de morte, prazer, sexo e muito sangue. Temos um claro contraste, mesmo até a nível cromático, que evidencia bastante a estreia muitíssimo bem conseguida de Richard Bates Jr. na realização, especialmente pela maneira soberba como transmitiu a mensagem do estado psicótico de Pauline e o verdadeiro decair de uma personalidade e consequente abismo ilusório tão difícil de superar. Porque mesmo através de diversos elementos bizarros e de horror, não deixa de ser uma história simples que é contada, até muito pertinente, pois não são poucas as situações de pais que negligenciam os filhos e em que haja pouca comunicação nas relações parentais. Mas são vários os elementos, e é aí que Bates foi inteligente, ao adicioná-los em doses certas, de maneira a que fosse possível chegar ao espectador de uma maneira mais arrebatadora. Sim, porque é dramático nos momentos certos, cómicos em outros momentos, e explícito e violento em muitos outros. Porém, não consigo deixar de penso que podia ser um filme muito melhor, se tivesse seguido um rumo diferente a partir do segundo acto. O facto de não ter limites conseguiu limitar o potencial de grandeza que não tinha dúvidas que conseguiria atingir. Isto porque o final que nos é presenteado, é dos mais macabros, marcantes, doentios, entre outros adjectivos desse género, que alguma vez vi. Quando virem perceberão porquê, vou evitar entrar em spoilers...


AnnaLynne McCord faz um trabalho absolutamente excepcional neste filme, quando de certeza que a maior parte das pessoas não davam muito por ela. Conseguiu surpreender-me em todos os aspectos, tendo sido muito convincente no papel de adolescente problemática. O resto do elenco também está satisfatório. Em tom de conclusão,  apesar de ser daqueles filmes que tem-se mesmo que compreender para apreciar a sua beleza, por ser absolutamente bizarro, é suficientemente original, bem realizado e com um elenco brilhante, que faz com que se torne absolutamente impossível ficarmos indiferentes... Aqui fica a minha recomendação implícita.


EXAME


Realização: 7/10
Actores: 8/10
Argumento/Enredo: 7/10
Duração/Conteúdo: 6/10
Efeitos/Fotografia: 7/10
Transmissão da ideia principal do filme para o espectador: 7/10

Média Global: 7/10


Crítica feita por Sarah Queiroz 


Informação


Título em português : Excision

Título Original: Excision
Ano: 2012
Realização: Richard Bates Jr.
Actores:  AnnaLynne McCord, Traci Lords, Malcom McDowell, Roger Bart, John Waters, Ariel Winter, Ray Wise

Trailer:


0 comentários:

Enviar um comentário